quinta-feira, 1 de julho de 2010

A canção do meu saudoso e eterno amigo

E porque a Toca dos Gatos não cuida só de gatos, também temos nossos amores caninos, vou deixar um texto do Gilberto Pinheiro em homenagem ao seu cão, mas que serve para todos o nossos queridos auaumiguinhos da blogosfera querida.
Esta abaixo era a Xuxa, uma cadelinha SRD que pegamos ainda bebê abandonada nas ruas em um 7 de Setembro. Viveu conosco por 11 anos, lutou bravamente por 1 ano e meio contra os tumores, passou por 4 cirurgias, 3 meses de quimioterapia, mas seu coração nos pregou uma peça e a levou vitimada de enfartes múltiplos.
Hoje temos a Lara, aqui conosco há 7 anos, salvamos das ruas já adulta, por isto não sabemos sua idade atual. Na sexta-feira última constatamos a cegueira do olho direito, o que muito abalou a Toca, estamos cuidando para que o outro olhinho permaneça livre da doença.
Então, para os nossos amores caninos, para os nossos grandes auaumiguinhos que nos acompanham, segue o carinho do texto do Gilberto para todos vocês, sempre, Toca dos Gatos.

A canção do meu saudoso e eterno amigo - Gilberto Pinheiro
Eu não sabia que a vida pudesse me ensinar tanto, que minhas lágrimas trouxessem para perto de mim a sombra fria da amarga solidão, a ausência sofrida do meu inesquecível cão.Eu não sabia como dói na alma a falta de quem se ama tanto.
Senhor, neste momento de contrição, refletindo sobre minha vida, posso ver o tempo perdido quando esqueci de amar, quando imaginava que o amor não tinha importância para mim. Nunca me ensinaram a amar os animais. Meus pais eram religiosos mas nunca me ensinaram a rezar pelos animais. Eles também não sabiam o valor do amor em sua plenitude.
Eu nunca soube valorizar a amizade do meu cão, que se dedicava a mim integralmente quando eu estava em casa. Não saía de perto de mim. E eu, estúpido, nunca percebi o que dizia aquele olhar. Fazia questão de se mostrar para mim, olhando-me com ternura, o jeito canino de conquistar corações. Mas, minha alma empedernida, não tinha tempo nem sensibilidade para entender o que dizia este olhar. Agora entendo a razão de ao ouvir minha música favorita ele se aproximava e se encostava em mim, olhando-me como se dissesse "essa também é a minha música favorita".
O cão amigo quer ver seu dono feliz. Gosta de tudo que ele gosta e tenta fazer graça para vê-lo sorrir.
Às vezes, parecia que sua alma se aproximava de mim.
Mas, insensivelmente, eu não entendia este lindo gesto de amizade, o que ele queria me dizer, o quanto me amava. Eu não o olhava como merecia ser olhado.
Lembro-me que, quando menino, ensinaram-me a rezar mas nunca me ensinaram a pedir a Deus pelos animais. Acho que isso congelou o meu coração. Eu peço perdão por minha insensibilidade, pelo fato de não valorizar as pequenas coisas desta vida, na simplicidade deste meigo olhar, o amor que dele transbordava a felicidade para me presentear. Este meu cão valorizou a minha vida e eu não soube valorizar a sua existência. Como fui tolo e não valorizei cada instante, cada momento e encontro desta vida. Hoje, choro de saudades, de arrependimento, pelo tempo que perdi em não admirá-lo desde que chegou à minha casa, ainda muito pequenino. O seu latido de menino cão, o chinelo que ele gostava de brincar, morder, fazer arte; a vida que sorria para mim e eu não soube nesta vida amar, de com ele brincar. Ele viveu em minha casa por 18 anos e morreu tranquilamente, sem sofrer. Ao acordar de manhã, estava deitado ao lado da minha cama, com os olhos semi-abertos. Eu não sabia que ele tinha viajado para perto de Deus. Senhor, em seus ensinamentos valorizou o perdão, a misericórdia: bem-aventurados os misericordiosos, porque receberão a misericórdia, e eu imploro a indulgência por não ter sabido amar o meu cão. Eu não o tenho mais perto de mim. Ele viajou para bem longe, onde residem as mais belas e fulgurantes estrelas, residindo no paraíso,na estrela mais bela que já pude contemplar. Todas as noites eu abro a janela e ouvindo a mesma canção, a canção que ele mais gostava e ficava com seu meigo olhar. Longe e tão perto, está este eterno amigo, ligados pela mesma emoção, o carinho, a ternura, a despedida que foi triste e dolorosa, exatamente quando aprendi a vida valorizar. Meu cão amigo e querido, saiba que o aparente desprezo não passava da minha frustração, por não ter a grandeza de saber valorizar o sentimento, por não saber o quanto é importante amar. Essa canção é sua. Estamos juntos neste instante, eu sorrio de felicidade, afinal, vejo com o coração enternecido como é lindo este seu olhar.
Para sempre, seu amigo, Gilberto Pinheiro.

11 comentários:

Nati - Mãe Cão Mãe Gato disse...

Ana, que coisa mais linda,mais enriquecedora este post. Lendo a letra da musica imediatamente me passou várias pessoas pela cabeça, pelo qual dizem não gostar de cães, mas não é isto, e sim o fato de não terem sido ensinados a amar as coisas simples, aquele olhar canino que te acalenta, que te proteje e te fortalece nas horas mais difíceis. Só quem tem um cão ou um gato sabe a força que isto representa em nossas vidas. Um grande beijo e obrigada pela delicadeza de seus textos. Um abraço, Nati

GatoFans disse...

Nem sei o que escrever. muito emocionante. Tocou meu coração lah no fundo.

FofyslândiA disse...

Oi querida Ana..sinto muito por tudo que tem acontecido com vc vou orar porvc teho certeza que Deus vaí te ajudar,bem eu estive vendo suas belas artes e minha mãe tbm faz artesanatos se vc quiser ver o blog de artes é o link: http://wwwtutifruti.blogspot.com/

Pepi disse...

Olá,
Linda homenagem...
Tenha uma linda tardinha
Lambeijos carinhosos
Pepinho

Veronica Gregório disse...

Que texto lindo Ana. Chorei muito ao ler.
Não tenho e nunca tive cães, mas sempre acaricio os pequenos de rua.
Muitos tem medo e estão machucados, fico cheia de lágrimas e vontade de trazê-los para casa. Algum dia vou ajudar esses animais.
O Xuxa era tão bonito! Vc deu a ele uma vida digna, mesmo que não tão longa.
Estou aqui torcendo pela Larinha!
Ela é forte! Vai superar esse momento dificil.
Ela vai enxergar com o coração.

Beijos Ana e lambeijos especiais na menina Lara.

Cães e Focinhos disse...

naao fique triste talvez vcs consigam saalvar o olho dela mas senao der ela vai apprender a viver assim,vc sabe que meu nero e cego desde os 2 meses e ele aprendeu a se virar melhor que os outros caes beijos

«Amanda F.« disse...

Ana, estou chorando ainda com este texto.
Fico pensando no Bethowen... Cada momento agora eu vou viver ao lado dele! Não quero me arrepender depois Ana!
E no texto quando diz da música preferida me senti muito boba por não ter dado atenção à ele, quando ele deitava no chão da sala e ficava ouvindo minhas músicas preferidas junto à mim...
Depois de ler este texto, você pode ter certeza que eu NUNCA mais vou passar por ele e não dizer que o amo e que ele sempre vai ficar no meu ♥!
Obrigada pelo texto Ana!
Nunca vou me esquecer desta mensagem!
Beijosss de alguém que aprendeu a dar muito mais valor em seu cão!

«Amanda F.« disse...

Até esqueci de falar da sua Lara e da Xuxa!
Mesmo que a Xuxa não tenha vivido muito, ela foi muito feliz por ter você como mãe! Não tenha dúvidas disto!
E a Lara, cuide muito bem do olhinho dela! Como a Verônica disse:
-Ela vai enxergar com o coração!
Beijosss!

Theodoro disse...

Lindo...lindo ...lindo...
Os meus pelinhos ficaram arrepiados de emoção...
Os animais são muito mais fortes que os humanos e a Larinha vai recuperar e te surpreender com a sua força.
Bom fim de semana muitos ronrons de apoio e carinhos

Mírian Martins disse...

Eu entendo bem esse sentimento e estou solidária nesse momento.
Imagino sua aflição em relação à Lara, mas tenha fé que tudo dará certo. Vamos pedir a Deus que Ele a ampare e proteja.
Beijo grande no coração.

Gisa disse...

Ana, simplesmente lindo. Estou torcendo pela Lara. Meu Flocky também está perdendo a visão (aliás já perdeu quase toda) e, infelizmente, não há o que fazer. O vet só nos recomendou para mantermos o lar seguro para ele e a adaptação está sendo boa. Nós sentimos mais que ele... Beijos no coração de todos vocês