quarta-feira, 10 de março de 2010

série - Mural da Saudade
















Na hora do adeus - Paulo Coelho
“Viver é estar sempre preparado para dizer adeus”, diz um amigo meu, no aeroporto. Caminhamos de um lado para o outro, enquanto aguardo a hora do meu vôo.
“Entretanto”, continua meu amigo, “a Natureza é sábia. Cura a alma da mesma maneira com que cura o corpo”.
“Passamos por três estágios da doença do adeus. O primeiro é a negação: isto não é verdade!.
“Depois vem o desespero, a revolta: era verdade! tal coisa nunca podia acontecer comigo!
“Finalmente, vem a aceitação: bem, era verdade, aconteceu, agora é preciso seguir adiante!”
“Se vivermos cada uma destas etapas, sem vergonha, sem tentar cortar caminho, a Natureza se encarregará de fechar a ferida. Mas ela precisa do mesmo ingrediente que é necessário par curar os males do corpo: tempo”.
.............

Saudade

Vencido pela profunda angústia da minha mágoa, despertei quando o jovem rosto da manhã adornado de luz e o mar de nuvens viajeiras, me convidaram para o banquete do dia. Levantei e percebi que não fora um pesadelo...
A presença da sua ausência era a mais pura e triste realidade...
Não sei dizer ao certo se é a presença da ausência ou a ausência da presença, ou, talvez seja, simplesmente, saudade...
Lá fora tudo respirava perfume e os braços do vento, carregando o pólen da vida, cantavam nos ramos do arvoredo delicada canção...
Saí a correr, tentando fugir da furna escura dos meus padecimentos. A presença invisível do bem-amado fazia-me arder em febre de ansiedade, enquanto os pés ligeiros das horas corriam à frente impondo-me fadiga e desconforto...
Embriagado pela saudade, meu ser ansiava pela paz...
Em vão tentei exaurir as forças para livrar-me da dor, mas não lograva libertar-me do punhal da melancolia cravado no coração, e da lembrança da sua ausência...
Quando, enfim, a tarde se escondeu ao longe das montanhas altaneiras, outra vez tombei em mim mesmo, extenuado e só...
Naquele momento desejei que o Todo Poderoso me dominasse com os fortes recursos da soberana misericórdia, livrando-me de mim mesmo...
Parecia que não mais suportaria o espinho da saudade cravado em meu peito, já dorido e exausto...
A ausência da sua presença queimava as fibras mais sutis da minha alma. E a presença da sua ausência feria-me o coração dilacerado e só...
A noite devorou o dia, e, ao escancarar a sua boca negra, mostrou a primeira estrela engastada no manto escuro, vencendo as sombras...
Minutos depois, miríades de astros brilhantes compuseram o diadema da vitória total da luz...
Só então, solitário e meditativo, compreendi como a minha canção de dor chegara ao ouvidos do Criador, que me respondeu em vibrações fulgurantes de esperanças à distância...
Só então compreendi que não há escuridão que resista a um simples raio de luz, e decidi acender a chama da esperança em minha alma. E, só então, pude ouvir o Sublime Cancioneiro do silêncio e Suas melodias repletas de sons e paz, convidando-me a confiar em Seu infinito poder e entregar-me aos braços suaves da esperança...

* * * Se o manto escuro da saudade pesa sobre os seus ombros, ilumine-se com as pérolas da oração sincera em favor do bem-amado que partiu. Preencha a ausência da presença com a lembrança dos momentos compartilhados nas horas alegres, e confie no reencontro feliz.


Redação do Momento Espírita, com base no cap. LII do livro Estesia, pelo Espírito Rabindranath Tagore, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal
.............................


Em 23 de Abril de 2012, uma manhã de segunda-feira, mais precisamente às 10 hs da manhã, meu mais que querido filho Tom deixou este mundo, iluminando os céus, mas escurecendo o meu coração, de uma saudade tamanha, assim como enorme era ele. Agora liberto da dor, do mal estar que tolhava seus dias, ele seguiu rumo aos céus dos verdadeiros anjos, pois assim o merecia, tamanha foi a sua bondade aqui na Terra. Na minha vida eu tive o privilégio de, durante 15 anos e dois meses, conviver com este grande gato, mais humano que muitos humanos que caminham por aí. Vai com Deus, meu filho, leve para toda a eternidade a saudade de todos da Toca-dos-Gatos.
.................................................

Nosso menino Bulinha entra agora para o Mural da Saudade, onde prestamos nossa solene homenagem aos meninos todos que conviveram um dia na Toca dos Gatos ^. ^


Minhas queridas (meus queridos), hoje coloco aqui fotos de filhos que passaram pela Toca, mas hoje não brilham mais aqui. A saudade é infinda, como sentem todos vocês que já se separaram de grandes amigos. Mas eles merecem minha homenagem, minha eterna lembrança e quis compartilhar aqui com vocês. Estas fotos pertencem a um DVD de montagens que fiz, tem 350 fotos, 1:30hs de duração, com lindos fundos musicais. Não vou relatar aqui o dia da nossa separação, nem seus motivos, porque seria um sofrimento reviver estes tempos, deixar escrito isto não seria bom. Só quero que saibam que minha vida sempre foi repleta de bons amigos, isto sem contar com o Pituco, e os vários Chicos e Chicas que tive na infância, mas não éramos abastados o suficiente para termos sequer uma câmera para guardar fotos destes momentos que foram únicos e preciosos. Somente as lembranças que nunca irão se apagar poderão recontar estas histórias um dia.
Obrigada pela paciência que tem com esta, por acompanharem comigo o que compartilho com vocês sobre mim. Sempre e com carinho... Toca dos Gatos.



















6 comentários:

Marta disse...

Achei muito bonita a sua homenagem, fiquei muito emocionada. Minha companheira Debbie de 11 anos se foi no dia 24/09/10. Ainda sinto o movimento dela pela casa. Bjim

Anônimo disse...

BONITO ESSE MURAL DA SAUDADE, LEMBREI DO MEU GATO APOLLO QUE SE FOI A QUASE DOIS MESES, NO MEU ORKUT FIZ UM ALBÚM COM FOTOS PRA TER DE LEMBRANÇA! É TRISTE PERDER UM AMIGO! PRA MIM ELE TÁ LÁ ATRÁS DO ARCO-ÍRIS. LI NUMA CARTINHA QUE RECEBI DO VETERINÁRIO. UMA CARTINHA QUE ELES DÃO, TIPO UM CONFORTO PRO DONO.

Patty disse...

Muito linda a sua homenagem... perdi meu gatinho Tubias a menos de um mês e tenho sofrido muito com saudades dele. Ele era muito agarrado comigo, parecia a minha sombra... Sei que ele está no céu dos gatinhos e que com toda certeza está em paz, mas mesmo assim, queria que ele tivesse ficado mais tempo, porque ele faz uma falta enorme pra mim.
Beijos!

As Aventuras da Gata Sofia disse...

Me emocionei muito com sua homenagem, realmente muito linda,eu como vc sou gateira desde os primeira infancia, não lembro da minha vida sem eles por perto...
foram muitos os momentos felizes que passamos juntos! bjs

Meu nome é Karen, disse...

Ei querida! Hoje que vi esse cantinho especial, claro que eu com as lagrimas rolando... quantas estrelinhas lindassss..a saudade é de arrasar né.. meu coração até hoje, 2 anos depois fica apertado qdo me lembro da minha neguinha...

Bjo grande!

Nikita disse...

Ana Clara querida, que lindo o seu mural. Como é triste perdermos nossos amigos queridos. Faz 1 ano e 3 meses que perdi minha Pitcha e ele é inesquecível para mim.

Beijos, Néia